Favorite films

  • Bang Bang
  • The Sacrifice
  • Regular Lovers
  • The Gospel According to Matthew

Recent activity

All
  • Wrath of Man

    ★½

  • Summer of Soul (...or, When the Revolution Could Not Be Televised)

    ★★★½

  • No Sudden Move

    ★★★

  • A Quiet Place Part II

    ★½

Recent reviews

More
  • Wrath of Man

    Wrath of Man

    Há muito tempo eu não dava chance pra um filme do Guy Ritchie, o menino veneno. Só queria ver um filme de tiro no sabadão. Fico mais uns anos sem dar outra chance então.

  • Summer of Soul (...or, When the Revolution Could Not Be Televised)

    Summer of Soul (...or, When the Revolution Could Not Be Televised)

    ★★★½

    Venha para as imagens relativamente famosas de Nina Simone no Harlem Música Festival do verão de 1969, fique para uma avalanche de música negra e afrolatina americana num registro cristalino, Stevie Wonder aos 19 anos, Max Roach no solo de bateria, Sly and the Family Stone colocando o parque abaixo, a condução ecumênica de Jesse Jackson, e um dueto entre Mahalia Jackson e Mavis Staples de fazer chorar. Um doc de arquivo com estrutura de espetáculo; o espiritual, o artístico e o político da experiência negra em duas horas que se passam inteiras aos arrepios.

Popular reviews

More
  • Comedy of Innocence

    Comedy of Innocence

    ★★★★

    Raúl Ruiz em modo hitchcock-hawskiano iluminado por um entendimento imediato do significado das imagens de video digital que se tornariam a obsessão do mundo dali para frente. A história desse filho de duas mães é apresentada numa mise-en-scène rigorosa de movimentos sempre circulares, carrinhos que cercam os personagens e fazem dessa dança um jogo de descobertas e adivinhações. A história do mau filho que deseja escapar do ciclo de desatenção dessa burguesia estagnada em seus palacetes, cercada pelos bustos e…

  • Nomadland

    Nomadland

    ★★★

    O tempo todo é possível ver o trabalho de Chloe Zhao e sua equipe: se há uma coisa que "Nomadland" não consegue é naturalizar a fronteira entre a ficção e a realidade, é possível ouvir os "vai, continua!" nos momentos espontâneos entre atores e não-atores, e a obsessão com o lusco-fusco não ajuda. Frances McDormand nunca atuou tanto - não em termos de qualidade, mas de volume. Ao mesmo tempo, não me lembro da última vez em que vi a…