Favorite films

Don’t forget to select your favorite films!

Recent activity

All

Recent reviews

More
  • Vitalina Varela

    Vitalina Varela

    "Nas vezes em que pude ver o filme, se combinaram em mim sentimentos de uma certa sideração, pela densidade daquela viagem que o filme propõe, e, por outro lado, me pareceu um filme desconcertantemente simples. Isso eu nunca tinha sentido de Casa de Lava (1994) até aqui. Simples no sentido do que é sua matéria principal e do sentido da travessia que se propõe. Uma mulher, Vitalina Varela, caboverdiana, precisa fazer o trabalho do luto. O filme acompanha esta tarefa.…

  • The Yellow Night

    The Yellow Night

    "Aqui, convivem com um crescendo de intimidação fantasmática e recíproca imantação quântica, o lumièriano plano panorâmico de amigos que interagem entre si e com o mundo – e um plano obscurecido no in extremis da invisibilidade, ou do hors champ tópico, mais próximo da beirada do campo – de uma jornada no coração das trevas do experimentalismo cinematográfico, de sua figuração limítrofe: em que dimensão devemos confiar a nossa experiência do olhar? A Noite Amarela não é um filme passível…

Popular reviews

More
  • Limite

    Limite

    "Limite é cinema moderno avant la lettre. Jean-Claude Bernardet escreveu que é um dos raros precursores dos filmes de deambulação, que se tornaria traço estilístico entre os anos 1950 e 1970 (Roberto Rossellini, a nouvelle vague, Michelangelo Antonioni). “Anda-se muito, […] e andar nem sempre é fácil: os sapatos machucam ou a ferida na perna dói.” Os personagens de Limite deambulam mais que qualquer coisa. Mas o andar é mecânico, e passa a ser ele próprio objeto de interesse, num…

  • SuperOther

    SuperOther

    "O personagem-título é uma espécie de Messias às avessas (ou não), que vem de lugar nenhum – vem da noite – e já se anuncia: “Acorda , humanidade!”. A missão é clara e já está dada nos primeiros momentos, e é justamente isso que ele veio fazer: inverter tudo, quebrar as portas, tornar tudo “outro”. Porém, ser “outro” é sempre um caminho relativo a esse oposto. Isto é: cada coisa tem seu outro, seu negativo; portanto, é preciso fazer esse…