Favorite films

  • João Bénard da Costa: Others Will Love the Things I Have Loved
  • Louis Lumière
  • Johnny Guitar
  • The River

Recent activity

All
  • Sinfonia do trabalho

  • True Heart Susie

    ★★★★

  • Mauro, Humberto

    ★★★

  • Five Minutes of Pure Cinema

Recent reviews

More
  • True Heart Susie

    True Heart Susie

    ★★★★

    "Se considerarmos o cinema simultaneamente em seus diversos aspectos, como linguagem, arte, indústria e expressão social, Griffith é incontestavelmente a mais poderosa personalidade de toda a sua história. Ele foi o principal artesão das normas básicas do novo meio de expressão e o primeiro a utilizá-las com fluência e de forma coerente"

    ---

    "O idílio rural de True Heart Susie, uma imagem de Lillian Gish regando plantas numa janela ou outras cenas dessa história cristalina, são tão importantes para a glória de Griffith quanto as suas contribuições decisivas para a técnica da narração cinematográfica."

    - Paulo Emílio Sales Gomes

  • JLG/JLG: Self-Portrait in December

    JLG/JLG: Self-Portrait in December

    ★★★★

    "A regra é a cultura. Certo.
    Cultura é uma questão de regras.
    Faz parte das regras.

    A exceção é uma questão de arte.
    É parte da arte.

    (...)

    A regra quer a morte da exceção."

Popular reviews

More
  • Rio Bravo

    Rio Bravo

    ★★★★★

    O estilo hawksiano é instintivo, disse Rogério Sganzerla.

    (...) Que é de homens simples (ou seja, bem complicados!) que aqui se trata.
    E é esse o seu assunto: o peso do ser. (...)
    - Jorge Silva Melo

    "Decido realizar um filme quando o assunto me interessa: pode ser sobre corridas de automóveis ou sobre aviação, um western ou uma comédia – mas o melhor drama é aquele do homem em perigo. Não há ação a menos que haja perigo; e, se se chega à ação real, da mesma forma há perigo: ficar vivo ou morrer, este é o maior drama que nós temos."
    - Howard Hawks

  • Wolfram, a Saliva do Lobo

    Wolfram, a Saliva do Lobo

    ★★★★★

    (...) "Não são os conteúdos que importam: são os modos, os processos, as formas que são sociais. E políticas, portanto.

    3

    Entre o dirigismo ideológico do Estado e a sutil dominação do Mercado, não sobra um lugar onde a arte possa ser "livre".

    A não ser nos pequenos gestos kamikazes, nas insignificâncias invisíveis, nas inovações formais realmente radicais e negadoras.

    A liberdade é ouro. Tem que ser garimpada.

    É substância radioativa de ínfima duração.

    Vamos nos apressar.

    O Mercado ou o Estado têm poderes para transformá-la logo em seu contrário."

    – Paulo Leminski