Batman v Superman: Dawn of Justice

Batman v Superman: Dawn of Justice ★★★½

Quem sabe a primeira e única vez que alguém se aproveita desses símbolos estabelecidos de algum super-herói para fazer um filme estritamente de símbolos - ou de como esses símbolos se relacionam. Batman fascista, Superman benevolente mas perdido, Lex Luthor millenial descontrolado, e sociedade em atrito. Não se trata de um jogo de poder, porque o poder não se mostra volátil, muito pelo contrário, ele se mostra no máximo manipulável: há uma noção não de sociedade como um todo (daí que acho que a resolução ultra-humanista acaba falhando um pouco), mas sim do indíviduo detentor de poder dentro dela e de como eles agem entre si. Gosto da ideia do Luthor como maestro de todo o teatro expressionista que a gente viu, me parece uma coisa que solidifica o filme como um filme de gênero, mas a forma que, antes da revelação, o Snyder consegue conciliar essa abordagem do mundo estar caótico ao mesmo tempo que renega essa noção estritamente sociológica da coisa é incrível - toda aquela questão da sociedade se adaptar a existência do Batman e de ele criar seu próprio ódio do Superman. E acho que existe ali até uma exposição grande desses temas sociológicos que falo, mas há um tesão tão grande pelo gênero e pela encenação, por ter o Jesse Eisenberg falando de matar Deus a cada 5 frases, que tudo parece soar natural nesse universo ultra-plástico de homens que se julgam Deus e de Deus que se julga homem.

É realmente um filme enorme, dava pra divagar muito mais sobre tudo que ele aborda e faz, mesmo com todas as suas limitações e mesmo mantendo a sua abordagem de gênero a mais genuína que podia ser no contexto. Me vejo aumentando a nota no futuro.

E, caralho, Martha.

Luiz Eduardo liked these reviews