Luiz has written 8 reviews for films rated ★★ during 2019.

  • O Amigo do Rei

    O Amigo do Rei

    ★★

    Sob sonoridade sacra, cambaleia uma bandeira do Brasil. A música permanece, mas a imagem se dissolve. O movimento horizontal descobre um terno; atrás dele, fora de foco, a moldura dourada de uma pintura. Dourada como o anel na mão que ajeita o paletó. Dourada como a abotoadura cuidadosamente posicionada na gravata. Dourada como os dentes amarelos, que sorriem. Ou como as hastes dos óculos cujo dono fita o espectador. O homem desaparece, a música continua. Uma tomada aérea revela um…

  • Yao

    Yao

    ★★

    Em um luxuoso apartamento parisiense, o pequeno Nathan comemora seu aniversário. Enquanto se distrai com a atração da festa - um palhaço -, o menino se deixa capturar pelas lentes do pai. Corte. Mais de cinco mil quilômetros distante, no nordeste do Senegal, o ligeiramente mais velho Yao conta uma história aos amigos. A narração interrompe-se pelo acaso, algo inimaginável aos olhos do espectador metropolitano: um bode devora uma página inteira do livro - a qual, por sua vez, o…

  • Aladdin
  • Tolkien

    Tolkien

    ★★

    Eu não consigo pensar em nada mais necessário. Especialmente em tempos como esses. Especialmente agora.

    Nascido em Bloemfontein, hoje território sul-africano, John Ronald Reuel Tolkien – ou J. R. R. Tolkien – construiu, por meio das palavras, um riquíssimo universo imagético. Antes restrito à imaginação, a migração para o cinema conferiu forma àquele mundo. Esse processo, contudo, aconteceu à revelia do escritor. A primeira versão cinematográfica de O Senhor dos Anéis (The Lord of The Rings, 1954) estreou em 1978,…

  • Red Joan

    Red Joan

    ★★

    Você virou advogado porque acreditava no que estava fazendo. Eu também.

    Arte e política lidam com os mesmos problemas. Disso parece consciente “A Espiã Vermelha” (Red Joan, 2018): seja ao identificar um espírito revolucionário na literatura de Charles Dickens, seja ao arriscar uma incipiente metalinguagem. Nessas notáveis tentativas, a grande tela espelha outra. Ação e recepção confundem-se, por exemplo, quando Eisenstein invade a reunião do Comintern – não a pessoa física, é claro, mas a força de suas imagens.

    LEIA MAIS

  • De Pernas pro Ar 3

    De Pernas pro Ar 3

    ★★

    Os homens desse filme não deveriam existir.

  • Mademoiselle Paradis

    Mademoiselle Paradis

    ★★

    Ela não é bonita, mas toca bem.

    Ainda antes dos créditos, a turbidez acompanha o som de piano. Em seguida, uma cartela anuncia a origem literária do argumento. Am Anfang war die Nacht Musik: no princípio, a noite era música. Segundo o poético título de Alissa Walser, o som precede a imagem – ou seja, já se ouvia mesmo antes de se ver. Essa perspectiva parece inverter-se na versão cinematográfica de Barbara Albert (“Os Mortos e os Vivos”). Licht, ou luz, nomeia seu mais novo filme – ideia ignorada pela tradução com a qual “Mademoiselle Paradis” chega ao Brasil.

    LEIA MAIS

  • On the Basis of Sex

    On the Basis of Sex

    ★★

    Não estamos pedindo que mudem o país. Isso já aconteceu sem a autorização de nenhum tribunal.

    Rufam os tambores. “Inspirado em uma história real”, anuncia a cartela, enquanto se ouve uma marcha de inspirações militares. “Ten Thousand Men of Harvard”, composta em 1918, até hoje antecede grandes eventos universitários. “Os dez mil homens de Harvard / Desejam a vitória hoje”, diz a letra. E quanto às mulheres?

    Em meio a sucessivos planos fechados de ternos, em marcha sincrônica com a…