Held ★½

Já falei que estamos diante de uma fase fervorosa de filmes de horror sobre domicílio e/ou vizinhanças urbanas, Held é mais um que subverte a lógica do home invasion, para falar dos problemas conjugais de seu casal principal e assim se tornar uma jornada de empoderamento feminino, enquanto o misterioso estranho (vivido pelo próprio diretor Travis Cluff) que viola a casa e priva seus moradores dentro dela para iniciar um jogo sádico inspirado no conservadorismo dos anos 50 mal aparece. Se esforça em querer nos fazer torcer por sua protagonista, que possui plots que questionam sua moral, mas passa longe de explorar essas feridas, oferecendo um pobre empoderamento, como por exemplo em como adicionam um personagem que poderia ser seu salvador e no desfecho ela é quem o acaba salvando, cena que só serve para a personagem auto afirmar a própria identidade, como se já não fosse tudo tão óbvio.