Hong Sang Soo

Mesmo no terceiro tem dado pra ver muita coisa dele com essa retrospectiva no CCBB. É um cinema anti climático (mesmo com seus climax’s, que não são poucos), de depuração (do espaço cênico, dos elementos plásticos, da encenação em si), e das próprias possibilidade que o meio oferece. Em entrevista sobre la Belle Noiseuse, o Rivette falou que pegou a ideia do Balzac para poder focar logo no que interessava. Em parte, a recorrência temática no cinema do Hong se dá muito por isso também. Mesmo com motes similares, o que diferencia seus filmes são os diferentes sentimentos que eles buscam revelar (complexos, contraditórios, patéticos, canalhas, deprimentes, intensos, belos). Todo seu despojamento cênico, tão preciso e meticuloso quanto um Bresson ou…

  • On the Beach at Night Alone
  • Introduction
  • The Day After
  • In Another Country
  • Right Now, Wrong Then
  • Woman Is the Future of Man