Favorite films

  • L'Argent
  • Signs
  • Romancing in Thin Air
  • Me and Earl and the Dying Girl

Recent activity

All
  • Hahaha

    ★★★★½

  • The Happening

    ★★★★★

  • 2046

    ★★★½

  • Love, Rosie

    ★★½

Recent reviews

More
  • The Happening

    The Happening

    ★★★★★

    Provavelmente é dos maiores exercícios de gênero do século. Shyamalan ao mesmo tempo que parte de uma contextualização esotérica — o elemento sobrenatural característico de seu cinema que serve como ritual de superação para seus personagens — lida com uma encenação que não mede excessos, seja na parte dramática mesmo (Wahlberg e Deschanel se entregam de corpo e alma ao drama familiar ao redor do conflito) seja no movimento de incorporar uma iconografia explícita e surtada do cinema de horror…

  • 2046

    2046

    ★★★½

    Achei meio punhetaço, mas inegável que o cara é muito habilidoso ao conciliar o seu maneirismo retrofuturista com um "climão" dramático dos mais desoladores. Encontra um meio termo bastante poderoso entre as imagens do Doyle (decupagem disso aqui é sacanagem), que quase sempre subvertem alguma noção mais básica do plano, com essa aptidão dramática característica do Kar Wai (a efemeridade do encontro, o mundo como um mundo de perdas). Filme parte dessa dinâmica cíclica, de idas e vindas que não…

Popular reviews

More
  • Fear Street: 1994

    Fear Street: 1994

    ★★★½

    É um filme muito caótico. Principalmente nos 20 minutos iniciais mais ou menos, rola uma abordagem frenética mais interessada em estímulos visuais do que em responder a alguma batida dramática mais convencional. Ele pega umas situações aparentemente banais ali, de contextualização de personagem, e vai evoluindo de um jeito ultra acelerado. Parece que tá mais interessado em um lado que não é exatamente caricato, como o resto do filme evidencia melhor, mas que tá bem interessado em umas liberdades estéticas…

  • Undine

    Undine

    ★★★★★

    O filme tem um certo fascínio pela fragilidade que é muito instigante pro desenvolvimento de tudo. Já na primeira sequência existe a ruptura de uma relação e o início de outra, que acontece justamente na cena em que o aquário se quebra. Como se Petzold assimilasse a fragilidade de tudo que existe ao redor dos personagens (da mesma maneira que as maquetes que a personagem apresenta, talvez? uma esquematização que também é fragil) pra fundar sua lógica dramática á partir…