Marighella

Marighella ★★★★

Visceral e intenso, do jeito que deve ser. Gosto de como a abordagem realista e sóbria do Wagner toma um caminho sensato de não romantizar a violência ao mesmo tempo em que não invalida a luta revolucionária contra um inimigo muito mais poderoso e cruel.

A cinematografia "câmera na mão", cheia de planos tremidos, dá um aspecto documental que traz uma urgência e uma imersão singulares, reforçando a ideia de que estamos acompanhando uma história real. Essa escolha visual também valoriza bastante as atuações que, tirando algumas cenas um tanto quanto caricaturais, são impecáveis. Funciona na maior parte do filme, mas em algum ponto acaba se tornando um recurso muito fácil e óbvio para gerar um conflito imediatista nas cenas de ação.

Acredito que o maior mérito de Marighella é trazer esse olhar humano para os seus conflitos, fazendo o público enxergar o protagonista e os combatentes como pessoas reais, lotadas de contradições e tentando sobreviver no inferno em que o seu país se transformou.