Favorite films

  • The Tiger of Eschnapur
  • Land of the Pharaohs
  • La Région Centrale
  • Vita di Dante

Recent activity

All
  • Psalm II: Walking Distance

    ★★★★

  • The Snows of Kilimanjaro

    ★★★★★

  • Le troiane

    ★★★★★

  • The Song of Styrene

    ★★★★

Recent reviews

More
  • Psalm II: Walking Distance

    Psalm II: Walking Distance

    Tom Gunning, um acadêmico, escreveu um artigo muito famoso sobre minha geração, chamado “Toward a Minor Cinema”. Era sobre a minha geração, que não quis mudar o mundo, não queríamos ser como Brakhage, Frampton, Sharits ou Kubelka. Não tínhamos aquele tipo de personalidade. Aqueles caras vieram da velha escola, como os pintores expressionistas abstratos. Eles realmente queriam mudar o mundo. Eu vi Sharits e vi Stan nos seus dias jovens. Era como Orson Welles, aquele tipo de ego. Ele tinha…

  • The Snows of Kilimanjaro

    The Snows of Kilimanjaro

    ★★★★★

    Há aqui qualquer fissura, abertura estreita que permite a infiltração de elementos estranhos à unidade do sólido quase regular que é The Snows of Kilimanjaro. Não destruindo o discernimento de uma forma definida e precisa, tais fendas reafirmam-na e abrem-na ao mistério.

    A encenação é clássica e teatral, com a distribuição justa e comedida dos atores pelo espaço do plano, e com a orquestração da câmera, dura e econômica, a serviço da funcionalidade dramatúrgica. Mas, como se The Revolt of…

Popular reviews

More
  • The Irishman

    The Irishman

    1. The Irishman é decupado basicamente em torno de um plano de situação (geral), campo e contracampo (closes). É um esquema elementar (utilizado especialmente de maneira extensiva na televisão dos anos 90, mas corrente na história do cinema). É uma ferramenta básica que garante a continuidade sequencial preservando a referência espacial ao espectador, sem exigir um trabalho muito apurado de encenação. Não tem por si só qualquer valor intrínseco (como toda e qualquer possibilidade formal, que só deve ser avaliada…

  • Pompeii

    Pompeii

    1. À aceitação da hipótese do autorismo vulgar, seria primeiro preciso tomar como pressuposto a conjectura do autorismo como figura medular em uma metodologia crítica e, depois, identificar determinados contextos, nos quais essa imagem se sustente, tomando como suspeita a ideia de que há uma rejeição de determinadas obras, amparadas pela discriminação decorrente de um meio cultural que deslegitimaria certos gêneros ou certas abordagens, dentro do corpo teórico desse tipo de crítica.

    1.1 Ao autorismo como abordagem crítica, é possível…