Inner Court

Inner Court

Da mesma maneira que enclausura seu protagonista, Mehedff confina as imagens à mera função representativa

O plano se divide diagonalmente. Hasteada a meia altura, uma bandeira do Brasil ocupa parcialmente o canto esquerdo. No direito, por sua vez, um crucifixo posiciona-se no limite do quadro. A turbidez desvanece a figura central, dissoluta entre o imperativo patriótico e o moralismo cristão. Antes do figurativo desaparecimento, porém, Gustavo bebe uísque. A embriaguez não parece atingi-lo; seus efeitos atravessam a materialidade da tela e acometem o espectador. Em um ponto de vista da personagem, turvos estariam os elementos circunscritos nas extremidades do visível. Impuro, contudo, manifesta-se o próprio protagonista. Trata-se, logo, de outra coisa.

Leia a crítica de Luiz Baez

Críticos.com.br liked these reviews