Wildlife

Wildlife ★★★½

Vida Selvagem é um filme que me agrada, mas do qual eu esperava mais, emocionalmente falando, e só por isso não recebe uma nota maior.

É positiva a estreia de Paul Dano na direção, bem consciente dos movimentos de câmera e de como dispor seus personagens em tela, assim como toda a ambientação da década de 50.

Fica como principal e valiosa característica sua câmera que em algumas cenas, à primeira vista, focaliza grandes espaços vazios (na rua ou em casa) e, conforme vai mudando de direção, vai revelando o que queremos ver - e muitas vezes algo que nem esperamos - é um elemento que Dano aplica perfeitamente bem.

As atuações estão boas, apesar dos personagens se mostrarem a todo instante muito mais profundos do que o roteiro aborda. Por trás daqueles rostos cansados e prestes a explodir há, com certeza, muito mais a ser entregue ao público, principalmente no filho Joe (Ed Oxenbould).

Assistimos Vida Selvagem sob sua ótica mas sem nunca saber o que ele pensa, ficamos presos a um turbilhão de emoções vivido por Joe, no meio dos conflitos dos pais, mas sem ter clareza do que nosso guia sente, somos alheios a tudo assim como ele.

Este isolamento pode ser intencional de Dano, porém, falta à história um momento em que Joe elucide seus pensamentos, para seus pais ou até para nós.

Por ser um filme feito com viés tão intimista, focando praticamente em apenas três personagens, Vida Selvagem poderia oferecer mais deles, mas é uma experiência satisfatória que irá agradar aos fãs dos nomes no elenco e de um bom drama familiar.

Angelo liked these reviews

All